Avenida Amazonas: O que está ruim, vai piorar.

18 de Agosto de 2014 / 0 Comentários
A- A A+

  

 

POR José Aparecido Ribeiro*  

 

 

Passado o período de férias escolares e Copa do Mundo, os engarrafamentos na Av. Amazonas aumentam dia após dia e estão ficando insuportáveis. O que era ruim, está impraticável, pois o trafego não flui em nenhum dos sentidos. Repare que a proposta de implantação de vias segregadas para ônibus ainda não aconteceu, mas a falta de fluidez exige paciência dos motoristas que precisam usar essa importante via para chegar ao centro ou atravessar a cidade no sentido oposto em direção a Contagem, Betim, Rodovia Fernão Dias e bairros que dependem da Av. Amazonas para serem acessados.

Há dias que os engarrafamentos ocorrem do Centro até a Refinaria Gabriel Passos em Betim. O percurso que era feito em uma hora em dias de engarrafamentos normais, entre a Praça Raul Soares até a Av. Cardeal Eugenio Pacelli, está levando o dobro do tempo. Este fato nos remete a uma  conclusão preocupante, se convidarmos a lógica e o bom senso para serem ouvidos. Se com as pistas livres nos dois sentidos, a Av. Amazonas está praticamente parada, nos horários de pico, imagine o que acontecerá quando a PBH implantar a pista exclusiva para o BRT, sucumbindo uma das pistas de carros? A conclusão eu convido o interlocutor para exercitar e tirar por conta própria...

A empresa gestora do transito da Capital continua achando, mesmo com os exemplos do vetor norte que está praticamente parado nos horários de pico, nas avenidas Cristiano Machado e Antonio Carlos, que BRT e ciclovias tem apelos para a população deixar carros na garagem. Ingenuidade, teimosia ou intenções veladas? Ao contrário do que diz os especialistas que são contra obras, a Av. Amazona exige intervenções urgentes para eliminar seus 45 sinais de transito, sem sincronia, que existem entre a Praça da Estação e o cruzamento com o Anel Rodoviário. Suprimir uma das pistas para o BRT e achar que as pessoas irão deixar carro em casa é loucura. Só não vê quem não quer!

Com efeito, no momento em que a indústria automobilística enfrenta sua primeira crise, após 10 anos de “céu de brigadeiro”, com redução de vendas e demissões, pergunto aos teóricos da PBH: Não seria oportuno pensar no segundo andar da Av. Amazonas, aumentando de 3 para 6 pistas em cada sentidos, entre a Av. Contorno e o Anel Rodoviário? Ou eles acreditam que o passivo de obras que a cidade possui, com mais de 40 anos de atraso, será resolvido com o BRT e bicicletas?

 

José Aparecido Ribeiro

Consultor em Assuntos Urbanos

Presidente da ONG SOS Mobilidade

CRA MG 08.00094/D 

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Entrevias. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Entrevias poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.