Tragédia que deixa perdas maiores do que as aparentes.

08 de Julho de 2014 / 7 Comentários
A- A A+

 

                                                                                 

                                                                                      POR José Aparecido Ribeiro*

 

A tragédia que vitimou 2 pessoas, deixando 22 feridos e expondo a imagem de BH para o mundo revela perdas maiores do que as aparentes. Todas as vezes que acontece um acidente aéreo, quem perde não é a companhia aérea e os familiares das vítimas, mas a aviação mundial. Todas as vezes que um político corrupto é condenado por roubar o dinheiro público, quem perde não é a cidade, estado ou o país, mas a credibilidade da classe que deveria ser exemplo. Para não dizer que não falamos do que ultimamente parece ser a única coisa que interessa, todas as vezes que um goleiro falha, perde o time, a torcida e os patrocinadores. No episódio da queda do viaduto Guararapes na Av. Pedro I, perdeu BH, perdeu MG, o Brasil e especialmente a engenharia nacional. Dela esperamos obras seguras, independente dos arranjos de bastidores.

É inadmissível que em 2014, com tantos recursos tecnológicos e com tamanho avanço da engenharia que faz pontes de 30 km, sobre o mar revolto de países asiáticos ou até mesmo a maravilha que é a Ponte Rio Niterói aqui mesmo no Brasil, BH e o mundo assistam um vexame de tamanha envergadura para a engenharia  e  para o povo mineiro. Sempre ouvi dizer que as falcatruas permeiam o universo das obras públicas no Brasil. Mas até aqui, nenhuma delas em virtudes de desvios, colocou em risco a vida de milhares de cidadãos de uma cidade importante como a Capital de Minas Gerais. Se mais do que fechar os olhos para a roubalheira os Belo-horizontinos não puderem confiar nas obras que são feitas com o seu dinheiro, o mundo só pode estar acabando e a justiça está mais cega do que o recomendável e precisa acordar.

Quem teve a oportunidade de transitar nas proximidades desta obra nos últimos meses, como eu tive, presenciou um festival de absurdos que envolve todas as esferas de governos e órgãos fiscalizadores. Falharam os engenheiros que não ouviram os alertas dos operários e da população que enxergava erros a olhos nus. Falharam o CREA, a Sudecap, o Ministério Público, a Procuradoria do Município, os Vereadores, o Prefeito e seus secretários que não fiscalizaram. Falhou o Ministério do Trabalho que não autuou as empreiteiras por desrespeitarem as normas de segurança, explicitamente. Falhou a BH Trans e o BPTRAN pelo caos que virou a região durante a obra. Falharam as Associações de Bairro que aceitaram caladas a desordem. A imprensa fez o seu papel denunciando e mostrando diuturnamente os absurdos, e eles continuam acontecendo.

Com efeito, deste triste episódio sobrou omissões, negligencias, prevaricações. Faltou autoridade, organização, planejamento e respeito pela coisa publica. Lições devem ser tiradas para que o luto e o vexame sejam evitados nas próximas obras. Até por que, iguais ou maiores do que esse, BH precisa urgentemente de pelo menos 50 viadutos, e algumas dezenas de pontes, trincheiras e tuneis capazes de melhorar a fluidez que piora a cada dia. Da Engenharia a sociedade espera uma resposta e soluções que nos permitam transitar em meio as obras da cidade sem o medo de que elas despenquem na nossa cabeça, causando prejuízos maiores do que os da insensatez e da incompetência de governantes sem vocação, adeptos das desculpas e justificativas estapafúrdias. Perdoe-me, mas “viadutos não costumam cair” nem aqui, nem na china.

 

José Aparecido Ribeiro

Consultor em Assuntos Urbanos

Presidente do Conselho de Política Urbana da ACMinas

CRA-MG 08.00094/D

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Entrevias. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Entrevias poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.