Cruzamento de Av. Pedro II com Anel Rodoviário - Atestado de incopetencia explicito da PBH

15 de Janeiro de 2015 / 0 Comentários
A- A A+

 

POR José Aparecido Ribeiro*      

 

 

Todas as vezes que preciso utilizar a Av. Pedro II em direção a região norte na cidade e passo no cruzamento dela com o Anel Rodoviário, tenho a sensação de que os homens que governam Belo Horizonte não devem passar por ali. Incluindo Prefeito, Vereadores, dirigentes da BH Trans e da SUDECAP. Pois se o fizessem, certamente já teriam tomado alguma providencia para minimizar o caos que se instalou naquele funil crônico. O local é um teste de paciência para trabalhadores, no transporte individual ou coletivo que são obrigados a passar ali todos os dias.

O gargalo deste cruzamento provoca, DIARIAMENTE, interferências no transito até o centro de BH, para quem transita no sentido centro bairro, nos horários de pico. No sentido contrário, para quem necessita atravessar o anel, procedente na região do norte da Capital os engarrafamentos costumam emendar com as Avenidas Tancredo Neves e João Paulo II, paralisando o tráfego nos bairros Progresso, Alípio de Melo, Ouro Preto, São José, Castelo e por vezes até o Serrano, além do próprio Anel Rodoviário.

É inacreditável que até hoje não foram feitas intervenções para dar fluidez ao trafego com tantas soluções possíveis, simples, fáceis e que saltam aos olhos. Atualmente a Av. Pedro II atravessa o Anel Rodoviário por baixo com 3 pistas de cada lado, limitando o fluxo durante o dia todo. Uma intervenção simples e espacial, sem furar buraco ou edificar um viaduto, (que correria o risco de cair, no que dependesse da fiscalização da SUDECAP) é possível transformar as 3 pistas em 5 pistas de cada lado, dando fluidez ao transito, acabando com o gargalo que consome tempo, combustível e anos de vida de motoristas e passageiros do transporte coletivo.

Entre um lado e o outro da Av. Pedro II tem um canteiro central com aproximadamente 20 metros de largura, servindo apenas de enfeite, já que não existe paisagismo ou qualquer cuidado mínimo que demonstre a presença do poder público no local. A sensação que fica, ao transitar ali e em outros 150 gargalos que a cidade possui é que não existe compromisso de quem faz a gestão do transito e as obras da cidade com a fluidez no transito. Quem duvida, convido para uma visitinha. Mas prepare a paciência se a visita for feita por volta de 8H no sentido centro ou 18H, no sentido bairro. O estresse, para quem gosta, é garantido.

 

José Aparecido Ribeiro

Consultor em Assuntos Urbanos/Presidente do Conselho de Política Urbana da ACMinas

 

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Entrevias. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Entrevias poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.