Dezembro chegou e o caos no trânsito vai só piorar.

08 de Dezembro de 2014 / 0 Comentários
A- A A+

 

                                                       POR José Aparecido Ribeiro*  

 

 

Dezembro mal começou e o que estava ruim, vai piorar. O transito que era mais complicado nos horários de pico, agora não tem hora para travar e isso vale para os finais de semana quando a desordem fica ainda maior, inclusive nos horários noturnos, quando parte da população vai as compras de natal. Deslocar por qualquer parte da cidade é um exercício de paciência, estresse e um festival de absurdos que saltam aos olhos. Quem tem compromissos precisa sair pelo menos com 2 horas de antecedência. As ruas da Capital estão saturadas, mas a BH Trans segue tentando dificultar a vida de quem optou pelo transporte individual, com medidas que beira a insanidade.

Explico: a gestora do trânsito implantou recentemente projeto para estreitar pistas e alargar calçadas (inutilmente). O resultado não poderia ser diferente: caos total no trânsito. Se não bastasse, a empresa que deveria administrar o tráfego mantém seu efetivo apenas observando o trânsito, sem interferir nele. Até agora não apresentou um plano de emergência e segue apostando que BRT tem apelos para tirar carros das ruas, o que é um equivoco inaceitável e grave. A cidade está a deriva de sinais sem sincronia em cada esquina. Vias completamente saturadas onde é permitido estacionar nos dois lados sobrando pouco espaço para o tráfego cada vez mais pesado nos grandes corredores.

Reina a desordem absoluta e nenhum agente público ou político vem a público dizer quais são os planos para enfrentar o problema. Ouve-se sempre a mesma ladainha: BRT e ciclovias são as apostas para revolucionar a mobilidade urbana. Ambas, a propósito, já caíram por terra, por razões óbvias. Nenhuma delas obteve a adesão da população que, teoricamente, trocaria o privado pelo público. Isso por que o clima e a temperatura da cidade não são favoráveis. Outra tese que vem sendo diuturnamente contestada por quem usa a lógica como método de avaliação da realidade é a de que obras não resolvem o problema e servem apenas para empurrar os congestionamentos de um local para o outro. (Tese de urbanistas e engenheiros que viajam para cidades Europeias e querem importar modelos sem considerar o clima, a topografia e a cultura local).

Evidente que tais obras terão ser feitas mais cedo ou mais tarde, sobretudo se considerarmos as projeções da frota de veículos da cidade que é de 1,6 milhões hoje, e que em 20 anos será de mais de 4 milhões de veículos, com ou sem transporte de boa qualidade. Ninguém garante que o excesso de carros nas ruas é apenas falta de alternativas de transporte de qualidade. Esquecem que o brasileiro é apaixonado por carro. Os gargalos (funis) onde o transito trava, irradiando engarrafamentos pelos 4 cantos da cidade precisam de tratamento urgente. São mais de 150 pontos que esperam por intervenções e que não aceitam mais puxadinhos. Tuneis, trincheiras, elevados, viadutos, passarelas e alargamento de vias, onde passeios servem apenas para enfeite, terão que ser feitos imediatamente. Não enxergar isso é falta grave, que deve ser cobrada nas urnas.

O PLANMOB, Plano de Mobilidade da PBH de 2008, que foi inspirado no modelo de Bogotá, Capital da Colômbia não serve para a Capital de MG, mas a BH Trans insiste em seguir com ele, cometendo erros que custarão caro para o contribuinte. Lá a temperatura média da cidade é de 17 graus e a topografia plana, as ruas são largas e permitem instalação de vias confinadas para ônibus e ciclovias. Ao contrario de BH, que possui topografia acidentada, clima quente e vias saturadas com largura insuficiente para receber BRT. O Monotrilho seria a alternativa, mas em uma escala de prioridade, onde o modal metrô aparece em primeiro lugar, o monotrilho, cuja estrutura é construída verticalmente e nos canteiros centrais de avenidas, aparece em quarto lugar. Ou seja, as ações são diametrais ao que a cidade precisa para minimizar o caos no trânsito e o que se ouve é o silencio...

 

José Aparecido Ribeiro

Consultor em Assuntos Urbanos

Presidente do Conselho de Política Urbana da ACMinas

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Entrevias. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Entrevias poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.