Encontro Nacional dos Transportadores da CNTT define Comissão que negociará com o governo

03 de Dezembro de 2014 / 0 Comentários

Dirigentes da CNTT e caminhoneiros durante Encontro - foto: Gilberto Araújo

A- A A+

Lideranças dos caminhoneiros autônomos de São Paulo, Santos, Campinas, Guarulhos, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Tocantins e de outras regiões saíram com muita disposição de luta do Encontro Nacional dos Transportadores Autônomos promovido pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes da CUT (CNTT).

O evento aconteceu, nos dias 26 e 27 de novembro, no Centro de Convenções do Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba, em Votorantim.

Durante os dois dias de debates, eles construíram com a Confederação uma pauta de reivindicações que destaca melhorias para a categoria e também definiram como prioridade uma agenda de negociação permanente com o governo federal.

“Algumas prioridades são a renegociação dos financiamentos existentes do projeto Pró-Caminhoneiro. Eles querem renegociar as dívidas com prazos elevados e iniciar novos financiamentos com juros menores e com prazos maiores para pagar”, explica o presidente da CNTT/CUT, Paulo João Estausia, o Paulinho.

O dirigente socializa que outras propostas são conveniar a CNTT junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT),para que possa distribuir as senhas de cadastro nos caminhões, e definir um valor mínimo de frete para cada modalidade dos caminhoneiros autonômos, por exemplos: para os tanqueiros (transportam combustíveis) caçambeiros (caçambas e produtos diversos) e os graneleiros (grãos que atuam na região sul do País).

“Negociaremos com o governo esses critérios. Cada um tem que ter tabelas de fretes diferenciados para que possam trabalhar dentro de uma concorrência leal entre eles e também em pé de igualdade com as empresas de grande porte”, relata Paulinho.
A  
implantação de pontos de parada com estrutura de saúde, conforto, pouso, alimentação, segurança e higiene  também é outra prioridade para os transportadores.
 

Pauta longa

O presidente da CNTT/CUT destaca que a pauta dos caminhoneiros autônomos é longa e que nunca terminará. “Nascerão outras pautas de encontros que realizaremos futuramente.Essa categoria é de grande importância para o País, é mobilizada e, se não tiver um resultado à altura das  suas  necessidade mínimas, eles podem parar a qualquer momento. A negociação permanente com governo será fundamental”, finaliza.

Comissão entrega pauta

Outro encaminhamento aprovado no Encontro foi a criação de uma Comissão das Lideranças dos Caminhoneiros Autônomos, formada por modalidades diferentes, (abaixo os nomes dos companheiros) que negociará as reivindicações da categoria com Casa Civil e com a Secretaria Geral da Presidência da República. “Pretendemos iniciar este diálogo com o governo já nesta semana”, finaliza Paulinho.

 

Paulo João Estausia - presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes da CUT (CNTT)
Carlos Roesel – presidente do Sindicato dos Cegonheiros de Minas Gerais
Carlos Alberto Litti Dahmer – presidente Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de Ijui- RS
Vantuir José Rodrigues – presidente Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de Goiana e Região
Benedito Pantalhão – presidente do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos da Região Metropolitana de Campinas e da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Cargas
Luiz Fernando Ribeiro Galvão – presidente Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de Guarulhos – SP
Bernabé A. P. Rodrigues (Gastão) – diretor da Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Cargas em Geral do Estado de São Paulo

 

Documento oficial

A CNTT informa que divulgará em breve um documento detalhado com todas as prioridades aprovadas no  Encontro Nacional dos Transportadores Autônomos.

 

Base CNTT/CUT


Entidades representativas dos caminhoneiros autônomos profissionais aprovaram filiação à CUT em dezembro de 2013, durante o I Seminário Nacional Transporte de Cargas: Desafios para o Desenvolvimento e para condições de trabalho dignas, promovido pelo CUT, no Sindicato dos Químicos de São Paulo.

Um dos temas definidos no Encontro Nacional dos Transportadores Autônomos foi a fusão ou filiação destas entidades à CNTT.

A Confederação cutista do ramo do transporte, com o setor de cargas na sua base, passa a representar cerca de sete milhões de trabalhadores nos modais rodoviário, ferroviário, metroviário, portuário, marítimo, fluvial, aéreo,  viário e de caminhoneiros autônomos que trabalham em todo o País.

 

Leia cobertura completa do Encontro

Encontro Transportadores CNTT: Caminhoneiros debatem pauta que será entregue ao governo

Encontro Transportadores CNTT: “A organização da categoria fortalecerá a luta”, destaca Silvestre

“Precisamos elaborar uma pauta que atenda as necessidades dos transportadores de cargas do País”, reforça Paulinho

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Entrevias. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Entrevias poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.