Qualidade dos remendos feitos no asfalto de BH é caso de polícia.

09 de Setembro de 2014 / 0 Comentários
A- A A+

 

POR José Aparecido Ribeiro

 

 

Com dinheiro do PAC da Copa, BH recebeu asfalto novo em boa parte de suas ruas e avenidas, que há muito era esperado. A cidade ainda tem centenas de ruas importantes, com grande fluxo de veículos necessitando de recapeamento, sobretudo na periferia, mas deve-se reconhecer que muita coisa foi feita e que transitar ficou mais agradável. Porém, bastaram alguns meses para que os murundus e os remendos mal feitos voltassem a estragar tudo que estava bonito. A qualidade do serviço é algo absurdo e inaceitável que suscita ação urgente e severa por parte do MP, já que a nossa vereança encontra-se ocupada querendo subir um degrau na escala da política.

Metade dos vereadores são candidatos a Deputado Federal ou Estadual. Os que abdicaram da candidatura direta, por ficha suja ou desinteresse, defendem irmãos, parentes ou amigos no pleito. Ou seja, não podemos contar com a CMBH para defender os interesses da coletividade. Enquanto isso, empreiteiros irresponsáveis, desqualificados racham a cidade como tatus, sem nenhum compromisso com a qualidade e nem tampouco com padrão mínimo aceitável na hora de tampar os buracos que são abertos para manutenção ou implantação de canalização de gás ou cabos. Copasa, Gasmig e Cemig fingem de mortas e tudo segue como se nada estivesse acontecendo.

As empresas que estragam o asfalto da cidade deveriam ter compromisso com a qualidade solidariamente ao seus contratados, mas o que se vê é um total desleixo e nenhum padrão ao fecharem os buracos. A título de exemplo, seguem alguns endereços que revelam a meia boca do serviço prestado: Av. Olegário Maciel, em toda a sua extensão entre Av. Contorno e Praça Raul Soares. Av. Contorno esquina com Rua Grão Mogol. Rua Bernardo Guimarães, esquina com Rua Rio Grande do Sul. Rua Professor Antonio Aleixo entre Av. Olegário Maciel e Rua Espirito Santo. Vários trechos da Rua Califórnia no bairro Sion. Rua Irai, em toda a sua extensão. Por toda a cidade o desrespeito é explicito e ninguém é punido. Cadê a SUDECAP e seus fiscais? Cadê o MP e a Justiça? Por onde andam os homens que defendem a cidade? Será que o prefeito não anda pela cidade?

 

José Aparecido Ribeiro

Presidente do Conselho Empresarial de Política Urbana da ACMinas / Consultor em Assuntos Urbanos

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Entrevias. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Entrevias poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.